Arquivo de etiquetas: BE

BE(exit) no!

eu_2459947b

Se houvesse dúvidas, os últimos resultados da execução orçamental acabaram com elas. A solução governativa que pôs termo ao austerismo em Portugal funciona mesmo. E não teria sido possível sem o apoio e a acção determinada do BE. Outros dela participaram, mas importa-me referir expressamente o BE neste post. Contra todo o medo e todas as desgraças que auguraram os mercados e as agências de “rating”, as instituições europeias e, claro, a nossa direita, há hoje mais dignidade e confiança na sociedade portuguesa. Apesar dos muitos e significativos riscos associados à opção, largar a austeridade, devolver poder de consumo digno, é um caminho que funciona. Devemo-lo também ao BE.

À luz deste sucesso quaisquer sanções, multas ou reprimendas de Bruxelas sobre Portugal só podem ser recebidas como um acto de prepotência inaceitável, de que é necessário tirar consequências à altura. Uma dessas consequências é precisamente não deixar de ter a Comissão Europeia à altura da crítica dos governos, dos partidos, dos movimentos e dos cidadãos nacionais. Por exemplo, suscitando, da maneira que for possível, por mais informal que seja, um pedido de demissão da Comissão Europeia. Nas mãos desta, a União Europeia bem pode dar-se por entregue a coveiros. Os mesmos que, diante da saída do Reino Unido, como se nada fosse com eles, exigem que estugue o passo e saia depressa. Os mesmos que, diante da crise dos refugiados, preferem pagar para que a Turquia faça o trabalho sujo.  Continue reading BE(exit) no!

Anúncios

O cidadão, a Presidenta e o Revival Tour

A semana passada, o Bloco de Esquerda lançou mais uma pedrada no charco das consciências progressistas do país, com a proposta de mudar o nome do Cartão do Cidadão para Cartão da Cidadania, por questões ligadas ao género da palavra cidadão.

Tivemos então o prazer de assistir ao “Revival Tour”, um espetáculo de tributo àquelas vedetas que tinham caído em esquecimento e que regressam às luzes da ribalta num show animado e jovial, feito de nostalgias e obscurantismos.

Voltámos a ouvir para o deleite de pequenos e grandes os comentários jocosos antifeministas assim que o clássico “então não há nada mais urgente?”, e assistimos aos já tradicionais e populares malabarismos gramaticais assistidos pelos guardiães da língua.

Uma dessas guardiãs, de sua graça Isabel Casanova, fez um brilharete no “Revival Tour”  com a sua muito aplaudida performance, “Calem-se, por favor, mas de vez!” da qual deixo aqui uns excertos, uns pequenos “amuse-bouches”, (expressão francesa de homenagem a Casanova, “linguista séria”, que confere autoridade à Academie Française para legiferar sobre a Língua Portuguesa):

“E contrariamente ao que já foi publicamente dito, não é verdade que «a língua reflete os valores, usos e costumes da sociedade».”

“Felizmente o bom senso dos portugueses só muito levemente acolheu o delírio da presidenta.”

(Que a ainda Presidenta Dilma Rousseff não a oiça e que se lancem petições no change.org para retirar a delirante palavra dos dicionários!)

conversa-com-a-presidenta dilma rousseff

Para ver o espetáculo gratuito na sua versão integral ide por aqui…

https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/controversias/calem-se-por-favor-mas-de-vez/3315

Esta performance de aparência inédita é na realidade número antigo, interpretado com mais ou menos mestria por antecessores seus.  Continue reading O cidadão, a Presidenta e o Revival Tour

Angola e Portugal: conivências, ingerências e imediatismos

Os quatro partidos de Esquerda representados na Assembleia da República Portuguesa divergiram na votação das duas propostas “de condenação” pelas penas que recaíram sobre os 17 ativistas angolanos apresentadas pelo Bloco de Esquerda (BE) e pelo Partido Socialista (PS). Ambas as propostas foram rejeitadas.

A proposta do BE – que contou com o apoio do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), com os votos contra do Partido Comunista Português (PCP) e com a abstenção da esmagadora maioria dos deputados do PS – fazia o apelo “à libertação dos ativistas detidos” e exigia que fossem seguidos “os princípios fundadores do Estado de direito”.

A proposta do PS – rejeitada pelo PCP e apoiada por BE e PEV – lamentava “a situação a que se assiste e que atenta contra princípios elementares da Democracia e dos Estados de Direito, fazendo votos para que ela seja corrigida”.

Feito este introito, vejamos.  Continue reading Angola e Portugal: conivências, ingerências e imediatismos

O benefício da culpa e a arrogância moral da esquerda

Esta semana, o deputado do PCP, Miguel Tiago, foi desassossegado por ter publicado um post no Facebook, digamos, politicamente inoportuno, sobre os atentados de Bruxelas. O comentário da discórdia foi ulteriormente retemperado com um pedido de desculpas, para sossegar os “amigos” que não conheceriam intimamente o deputado. O primeiro post, em si, não é propriamente falso do ponto de vista factual, mas é inoportuno no timing da sua publicação. É sabido que há tempo para tudo, e que quando se choram mortos não é momento para lições. Para caricaturar a situação, quando um filho nosso soluça porque se magoou, apesar das nossas advertências, a primeira reação é a do reconforto, administramos o “bisou magique” e somente após a acalmia é que administramos a lição, são regras de bom senso de elementar pedagogia.

O deputado Miguel Tiago teve mais sorte que o vereador Atef Rhouma da câmara municipal de Ivry-Sur-Seine em França, dirigida pelo PCF, que após os atentados de Paris, ligou de forma desajeitada os atentados às políticas do governo francês. Atef Rhouma foi atacado pela direita de apologia ao terrorismo, foi ameaçado de morte, durante umas semanas deixou o seu cargo de vereador e chegou mesmo a sair da cidade com a família por razões de segurança.  Continue reading O benefício da culpa e a arrogância moral da esquerda

Não insultem os católicos!

jesus

Não insultem os cristãos e nomeadamente os católicos, maioritários em Portugal, porque eles também têm sentido de humor e sabem fazer piadas, inclusive sobre si próprios.

Não insultem os católicos, eles também acreditam na igualdade de género, apesar de Eva ser um apêndice de Adão, e de a mulher ter um papel subalterno na hierarquia eclesiástica.

Não insultem os católicos, eles também defendem a liberdade da mulher a dispor do seu corpo e estão a favor da legalização do IVG apesar de a Igreja ser contra.

Não insultem os católicos, eles também compreendem a importância do preservativo, e sabem que amar é mais que procriar.

Não insultem os católicos, eles também não discriminam as pessoas baseadas na sua orientação sexual e acreditam que vários tipos de famílias são possíveis, apesar da discriminação defendida pela Instituição.

Ora, amigos ateus, não sejamos mais papistas que Francisco, e deixemo-nos de paternalismos ofensivos à inteligência dos católicos.

Continue reading Não insultem os católicos!

Ser ou não ser engraçadinha(o)

img_890x500$2013_10_25_09_59_18_208911

Vamos aos factos :

­‒ No domingo dia 24 de janeiro, o candidato apoiado pela direita, Marcelo Rebelo de Sousa saiu vitorioso das eleições presidenciais.

‒ Nesse mesmo dia a candidata Marisa Matias, apoiada pelo Bloco de Esquerda, teve mais do dobro dos votos do candidato Edgar Silva apoiado pelo PCP.

­‒ Nessa noite o Bloco de Esquerda preferiu ver o copo meio cheio e escapou-lhe que a vitória estava do lado da direita e que os Portugueses não iam ser presididos pelos tão aplaudidos 10% da Marisa mas pelos 52% do Marcelo.

‒ Nessa mesma noite Jerónimo de Sousa, nervoso com os maus resultados, disse as seguinte frases :

«Nós podíamos apresentar um candidato ou uma candidata assim mais engraçadinha, portanto, enfim, com um discurso ajeitadamente populista, que pudesse aumentar o número de votos. São opções e eu não quero criticá-las. Aquilo que caracteriza, portanto, este partido defensor dos interesses dos trabalhadores e do nosso povo, nesta coisa não somos capazes de mudar. (Ouvir aqui) »

‒ Entretanto as frases do Jerónimo sofreram severas medidas de austeridade, na ordem dos 80%, e passaram a ser citadas da seguinte forma :

« Podíamos arranjar uma candidata engraçadinha, mas não somos capazes de mudar. »

Os ânimos exaltaram-se, a vistas cegaram e o Secretário Geral do Partido Comunista Português, entre outros nomes bonitos foi insultado de velho-xexé por parte de Elizabete Azevedo-Harman.

Continue reading Ser ou não ser engraçadinha(o)

Adoção por casais do mesmo sexo e IVG: mulheres de Esquerda lutam por avanço civilizacional

Hoje, na Assembleia da República dia histórico em que as forças de Esquerda já governam, propondo e votando leis a favor da adoção, coadoção e apadrinhamento civil por casais do mesmo sexo, assim que a revogação das taxas moderadoras da IVG! Avanços civilizacionais defendidos no Parlamento por mulheres de Esquerda!