I’m not a number

« Au loin, à distance, j’ai vu quelque chose. En m’approchant, j’ai vu que ça bougeait. De plus près, j’ai vu que c’était un homme. Face à face, j’ai vu que c’était mon frère. » Proverbe berbère

O terror abateu-se mais uma vez sobre Paris, estamos de novo em estado de choque, siderados!
O terrorismo tem como desígnio aniquilar a nossa força, a nossa resistência mas sobretudo a nossa razão.
Ao terrível « déjà vu » das imagens televisivas, junta-se o « déjà vu » de certos comentários e reações. Desde as essenciais e emocionantes reações de amizade, solidariedade e humanismo aos já usuais « deslizes » xenófobos e islamofóbicos, e agora mais um álibi para não exercer o nosso dever de receber refugiados, porque aí estariam terroristas dissimulados. Ora outro dos desígnios do terrorismo é precisamente o clássico « dividir para reinar », armadilha esta que indignos políticos de direita e extrema-direita não se coíbem de tirar partido. http://www.liberation.fr/…/a-droite-et-a-l-extreme-droite-c… .
Outra ideia que vamos ver de novo surgir é a comparação do número de mortos e a incompreensão perante a diferença de tratamento entre barbáries. Na altura dos atentados do Charlie Hebdo, surgiu a questão da diferença de consideração entre Charlie e Baga http://www.courrierinternational.com/…/massacres-de-boko-ha…http://www.dailymaverick.co.za/…/2015-01-12-i-am-charlie-b…/  e agora surgirão vários comentários a denunciar a diferença de tratamento entre os mortos em França, na Síria, no Iraque ou no Mediterrâneo.
Ora várias considerações:

1. Não há razão para fazer comparações quantitativas, uma vida é uma vida, e não é a mobilização por Paris que deve ser criticada mas a falta de mobilização pelas populações que nos são mais longínquas.

2. É uma reação perfeitamente normal preocuparmo-nos em prioridade com os que nos estão próximos, com aqueles com que melhor nos identificamos pois é uma questão de pura sobrevivência da espécie, é uma disposição natural que constitui uma vantagem seletiva. Permitimos a sobrevivência da espécie de forma mais efetiva se concentramos os nossos esforços sobre aqueles que nos são próximos, sobre aqueles sobre quem podemos exercer a nossa ação de forma imediata.
A natureza é pragmática nestas coisas!

3. Quanto maior o número de vítimas menor é a empatia porque justamente a identificação é mais difícil, não é por acaso que nomear as vítimas tem mais impacto como no caso do pequenino Aylan, ou do nome Charlie. Os slogans “Je suis Charlie” ou “Je suis Aylan” são disso uma demonstração.

Mas bem sabemos que há uma diferença entre “o que é” e aquilo que “deve ser”.
A maneira de contornar estes comportamentos naturais é de lhes acrescentar princípios. E o princípio de que “uma vida é uma vida e tem o mesmo valor que qualquer outra”, resolve em parte o nosso dilema, quer esta vida esteja em Paris, Beirute ou numa desoladora embarcação de infortuna no Mediterrâneo.

notanumber3

Anúncios

Um pensamento em “I’m not a number”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s